75 foram mortos em chacinas neste ano na região metropolitana de SP

Câmeras gravaram ação de matadores em bar de Barueri, Grande SP | Reprodução

Ataques em série sempre são cometidos por encapuzados. Eles sempre chegam aos locais dos crimes em motos ou em carros com vidros escurecidos

Menos de uma semana após a execução do cabo da Polícia Militar Avenílson  Pereira de Oliveira, de 42 anos, em Osasco, na Grande São Paulo, e da morte do guarda civil metropolitano Jefferson Luiz Rodrigues da Silva, 40 anos, uma série de ataques entre 21h e 23h desta quinta-feira (13) deixou 19 pessoas mortas em Osasco, Barueri e Itapevi, na região oeste metropolitana.

O PM foi morto na última sexta-feira (7) enquanto, à paisana, pagava a conta da gasolina em um posto de combustível na avenida dos Autonomistas. O guarda foi morto em seu comércio, uma adega, quando três ladrões tentaram roubar o lugar.

O secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, afirmou nesta sexta-feira (14/08) que a hipótese de retaliação não foi descartava das investigações. Ao todo, na noite mais violenta do ano, 15 pessoas foram assassinadas em Osasco, três em Barueri e uma em Itapevi, em 12 endereços diferentes. O bar localizado na rua Antônio Bedenedito Ferreira, no Jardim Munhoz Junior, foi onde houve mais vítimas: 10.

Em Barueri, o dono de um bar onde duas pessoas foram executadas disponibilizou imagens do circuito interno das câmeras de segurança do estabelecimento. Pelas gravações, é possível ver que havia aproximadamente 10 pessoas no local. Quatro homens, encapuzados, desceram de um veículo, mandaram todos virarem de costas e balearam dois. Depois, fugiram.

Ataques em 2015

Ao todo, 75 pessoas morreram este ano em chacinas em cidades da Grande São Paulo e na capital paulista, de acordo com balanço feito pela reportagem da Ponte Jornalismo. A desta quinta-feira (13/08) é a maior do ano. Confira, abaixo, quando e quantas pessoas morreram este ano:

24/01/15 – 3 vítimas fatais em Mogi das Cruzes
Por volta da 1h30, a PM encontrou três pessoas mortas na rua Waldir Carrião Soares. Testemunhas afirmaram ter visto um carro vermelho passar pelo local onde as vítimas estavam conversando. Os bandidos abriram fogo e fugiram.

02/02/15 – 4 vítimas fatais no bairro do Limoeiro
Um grupo armado alvejou seis pessoas, entre elas um bebê, em um campo de futebol na favela do Limoeiro, zona leste de São Paulo. Quatro morreram. Testemunhas afirmaram que os atiradores estavam encapuzados e fugiram em dois carros e um moto.

02/03/15 – 3 vítimas fatais em São Miguel Paulista
Em um fluxo – baile funk a céu aberto – três pessoas acabaram mortas após um tiroteio, segundo a polícia. A PM afirmou, à época, que houve um tiroteio entre facções rivais

07/03/15 – 10 vítimas fatais no Jardim São Luís
Em 4 horas, 10 pessoas foram mortas no Parque Santo Antônio, zona sul de São Paulo. Testemunhas afirmaram que um homem atirou aleatoriamente contra as pessoas e fugiu em uma moto. Cartuchos de calibre 380 e de .40 foram encontrados.

06/04/15 – 3 vítimas fatais em Embu-Guaçu
Um adolescente afirmou à polícia que utilizou um machado para matar as três pessoas na cidade de Embu-Guaçu, na Grande São Paulo. Ele se entregou após sofrer tentativa de linchamento.

09/04/15 – 4 vítimas fatais no Jaçanã
Num intervalo de cerca de seis horas, quatro pessoas foram executadas na zona norte de São Paulo. Uma viúva afirmou que o marido sofria ameaças de policiais. Ninguém foi preso.

15/04/15 – 6 vítimas fatais em Parelheiros
Num raio de 5 km, seis pessoas foram mortas na zona sul de São Paulo após a execução do cabo Leonílson Figueiredo. O caso foi revelado pela Ponte Jornalismo.

18/04/15 – 8 vítimas fatais na quadra da torcida organizada Pavilhão Nove, em Osasco
Os torcedores do Corinthians se preparavam para o clássico contra o Palmeiras quando um policial militar e um ex-policial militar entraram na quadra da agremiação, debaixo da ponte dos Remédios, e executaram oito pessoas.

26/04/15 – 6 vítimas fatais em Mogi das Cruzes
Em quatro bairros diferentes, 6 pessoas foram executadas em Mogi. A polícia trabalhou, desde o início, com a hipótese de relação entre os crimes. As vítimas tinham idade entre 17 e 38 anos.

01/07/15 – 6 vítimas fatais no Jardim São Luís
Na porta de um bar, seis homens foram baleados e mortos por um bandido que passou em um carro, atirou e fugiu sem roubar nada. Uma semana atrás do crime, um PM foi morto no mesmo bairro.

08/07/15 – 3 vítimas fatais em Mogi das Cruzes
Três pessoas foram mortas a tiros e outras duas ficaram feridas no Jardim Universo, em Mogi das Cruzes. Segundo a Polícia Militar, duas pessoas em uma moto passaram atirando contra um grupo na Rua Professor Gumercindo Coelho.

13/08/15 – 19 vítimas fatais em Osasco, Barueri e Itapevi
Homens em um Peugeot prata e um Vectra preto passaram em diferentes locais de Osasco, Barueri e Itapevi. Seis dias antes, o cabo da PM Avenílson Pereira de Oliveira foi executado em um posto de gasolina de Osasco.

Janeiro de 2014

Num período de 5 horas, 12 homens foram assassinados na periferia de Campinas na noite de 12 de janeiro de 2014. Sem dar explicação, a Polícia Civil proibiu na época toda a imprensa de ter acesso aos boletins de ocorrência dos crimes. No final do mês, foi possível saber o por quê. A SSP (Secretaria da Segurança Pública) afirmou que cinco PMs (policiais militares) foram presos sob suspeita de participação nos atentados. Os agentes estavam de folga no dia do crime.

A primeira morte foi registrada por volta das 21h30. Depois da primeira chamada, a PM e a Guarda Municipal atenderam outras três pessoas que chegaram a ser socorridas pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas não resistiram. Nove vítimas morreram nos locais dos crimes.

Julho de 2014

Em 15 dias, a cidade de Carapicuíba, na Grande São Paulo, teve duas chacinas em julho do ano passado. Ao todo, 8 pessoas morreram. Por volta das 3h do dia 26 daquele mês, em um curto espaço de tempo, 8 pessoas foram mortas em três locais distintos: um bar, um local onde se dança forró e um ponto de ónibus. Nos três, a mesma munição foi encontrada: 9mm.

Em 13 de julho, outras oito pessoas foram baleadas no mesmo município, sendo que cinco não resistiram aos ferimentos. Entre as duas chacinas, o policial militar Adaílton da Silva Souza, de 30 anos, foi encontrado morto, com marcas de tiros, em uma estrada da cidade. À época, a polícia não descartou envolvimento entre os crimes.

Julho de 2012

Enquanto a torcida do Palmeiras comemorava o título da Copa do Brasil, em 11 de junho de 2012, sete pessoas morreram, em sete endereços diferentes do Jardim Mutinga, em Osasco. O local da chacina de dois anos é muito próximo ao bar onde 10 pessoas foram mortas nesta quinta-feira (13/08).

À época, a polícia cogitou que as vítimas foram alvejadas por uma possível briga de torcida. As testemunhas afirmaram que viram homens, encapuzados, em uma moto e um Palio de cor vinho. Cartuchos de calibre 380 e de .45, de uso restrito e difícil comercialização da munição, foram encontradas nos locais dos crimes.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário