Governo Alckmin infiltrou PM em Tinder para prender manifestantes, dizem vítimas

Perfil falso no aplicativo de paquera, com frase errada de Karl Marx, era usado para tentar atrair militantes de esquerda

20160908-p2x9-perfil
Perfil no Tinder de Balta Nunes, homem que jovens presos disseram ser policial; ele nega

Além de provas forjadas, torturas e declarações inventadas, a prisão no domingo (4/9) de 26 manifestantes anti-Temer pela PM do governador Geraldo Alckmin (PSDB) pode ter se valido de uma outra técnica típica dos regimes totalitários: a infiltração de agentes disfarçados do governo com o objetivo de neutralizar movimentos de oposição.

Dos 26 manifestantes presos, 21 foram detidos no Centro Cultural São Paulo (CCSP), na Liberdade, região central de São Paulo, quando se preparavam para ir à manifestação na avenida Paulista. Eles acreditam que foram denunciados à PM por um participante do grupo que se identificava como Baltazar Nunes, o Balta. Enquanto os demais detidos eram presos e conduzidos ao Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) em duas viaturas e num ônibus, Baltazar foi levado sozinho numa outra viatura e nunca chegou à delegacia.  Para os manifestantes, Balta era um P2 — nome dado aos policiais do serviço reservado da Polícia Militar, que atuam em investigações, sem farda e com identidades falsas.

Balta mantinha uma página no aplicativo de paquera Tinder, em que adotava o típico perfil de um esquerdomacho — um cara que se vangloria de ter posições políticas progressistas para se dar bem com as mulheres. Logo abaixo do rosto barbado de Balta, vinham um breve manifesto louvando a liberdade e a igualdade e, no final, uma citação em inglês (“Democracia é o caminho para o socialismo”) atribuída ao filósofo e revolucionário alemão Karl Marx. (A citação indica que o suposto PM não fez direito sua lição de casa, já que Marx nunca disse isso.)

Uma das conversas de Tinder lida pela reportagem da Ponte mostra que Balta não perdia tempo. Logo após se apresentar, o rapaz já começava a perguntar a respeito das manifestações anti-Temer.

20160908-p2x9-papinho

Os jovens detidos no CCSP contam que faziam parte de um grupo informal, com cerca de 40 membros, organizado dois dias antes, via Whatsapp, entre pessoas que haviam se conhecido nas passeatas contrárias ao presidente Michel Temer (PMDB) . “A gente formou um grupo para se encontrar, mas tinha muita gente que não se conhecia. Esse grupo foi feito justamente para juntar uma galera pra ir pro ato, pra ficar um grupo grande e de certa forma servir de proteção, por causa da repressão policial que estava tendo”, contou D., uma estudante que pediu para não ser identificada.

A Ponte teve acesso a parte das mensagens trocadas nos grupos de Whats e em nenhuma delas encontrou menção a planos de praticar atos de violência ou desordem, como alegou o comando da PM ao justificar a prisão dos jovens. A maioria dos membros está na faixa dos 20 anos e alguns eram membros do movimento de estudantes  secundaristas. Com 37 anos, Balta chegou ao grupo por intermédio de outra militante, também mais velha do que os demais. “Ele estava de xaveco com uma amiga minha, e foi ela quem trouxe Balta para o grupo”, explica G., outro dos manifestantes detidos.

A estudante D, que escapou por pouco de ser detida, porque no momento da abordagem havia entrado com duas colegas no banheiro do CCSP, conta que Balta foi quem deu a ideia de mudar o local de encontro do grupo. Até o início da manhã de domingo, o combinado era a estação da Luz. “Ele que sugeriu que fôssemos para lá”, diz.

Por acaso

Um dia após a prisão dos jovens, o coronel Dimitrios Fyskatoris, comandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC), afirmou em entrevista coletiva que a detenção no CCSP ocorreu por acaso. Policiais militares que passavam pelo local teriam visto os manifestantes reunidos “em atitude suspeita” e resolveram abordá-los. Perguntado se a ação foi antecedida por uma investigação, o coronel foi categórico. “Não houve nenhum ato prévio, essas pessoas foram abordadas na rua”, disse.

Jovens presos no Centro Cultural São Paulo em 4/9
Jovens presos no Centro Cultural São Paulo em 4/9

Alguns fatos desmentem a versão do comandante. Todos os estudantes ouvidos pela reportagem contaram que a abordagem foi feita com um gigantesco aparato policial, formado por uma dezena de viaturas, um ônibus e um helicóptero. “Não tem como isso ter sido por acaso”, disse um dos detidos. E mais: no momento em que a polícia chegou ao endereço, os manifestantes estavam reunidos na passarela diante da entrada do CCSP, um local que não é visível da rua.

Sem encontrar indícios de crimes contra os estudantes, os policiais apelaram para torturar os jovens e plantar provas, segundo o relato das vítimas. “Um dos policiais estava me revistando, disse que me conhecia e me deu um soco na costela. Foi pegar uma barra de ferro que estava do outro lado da avenida e deixou no chão, na minha frente, e falou ‘é sua’”, conta G.

Se o jeito como a prisão ocorreu já bastava para deixar claro aos manifestantes que havia um PM infiltrado no grupo, o comportamento que Balta adotou a seguir conseguiu chamar todas as atenções para ele. Enquanto a maior parte dos membros do grupo estava presa, sem acesso aos seus telefones celulares, Balta mostrou que estava livre ao mandar mensagens pedindo para que os administradores o removessem do Whats e apagassem suas mensagens.

Às 19h30, quando todos os detidos já estavam no Deic, incomunicáveis para pais ou advogados, fez uma atualização no Facebook sem mencionar nada sobre as prisões dos “colegas”.

20160908-p2x9-post-estranho

Criado em dezembro de 2014, o perfil de Balta no Face não tinha imagens dele nem de qualquer outra pessoa. Há fotos de paisagens e alguns pontos turísticos clichê, como a Torre Eifell.

20160908-p2x9-perfil-fake

Nos poucos textos que escreveu ao longo de dois anos, sem mencionar amigos, parentes ou acontecimentos pessoais, aparecem alguns posts curtos que tentam passar a impressão de um sujeito politizado.

20160908-p2x9-post2

Na tarde de terça-feira (6/9), a Ponte entrou em contato com Balta via Whatsapp e perguntou se ele era policial. Ele negou.

conversax91

conversax92

conversax93

“Pessoas que não entende a nossa luta”

Os abusos feitos pelos policiais militares no CCSP continuaram depois no Deic. Além de manter os jovens incomunicáveis, impedindo-os de falar com advogados ou parentes por até oito horas, o delegado Fabiano Fonseca Barbeiro, da 1ª Delegacia de Investigações Gerais, aceitou a versão apresentada pela PM de que os manifestantes fariam parte de um grupo organizado e violento. No final, mesmo sem provas, autuou os 21 jovens, mais outros cinco que haviam sido presos no início da manifestação da Paulista, por formação de quadrilha e corrupção de menores.

No dia seguinte, o comando da PM chegou a divulgar que os manifestantes teriam confessado fazer parte de uma conspiração para promover vandalismo. Na mesma coletiva de imprensa, Fyskatoris declarou: “Essas pessoas declararam, sim, porque eu tenho registro da declaração delas, que faziam parte de um grupo que estava reunido para praticar atos de desordem na cidade, que eram parte de várias células que estavam espalhadas pela cidade”. Os tais “registros da declaração”, porém, não foram apresentados à imprensa nem à Justiça.

Justiça que, ainda na segunda-feira (5/9), repudiou as prisões feitas pela polícia. Em sua decisão, o juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo ordenou a liberação dos detidos e comparou a ação da polícia com a ditadura militar. “O Brasil como Estado Democrático de Direito não pode legitimar a atuação policial de praticar verdadeira ‘prisão para averiguação’ sob o pretexto de que estudantes reunidos poderiam, eventualmente, praticar atos de violência e vandalismo em manifestação ideológica. Esse tempo, felizmente, já passou”, afirmou. E ainda determinou abertura de inquérito para apurar denúncia de violência policial praticada contra um dos jovens.

Depois que a Justiça frustrou as intenções da polícia e liberou os jovens, Balta resolveu sumir. Na terça (6/9), deixou um último recado no Facebook agradecendo às orações e avisando que daria um tempo por causa de “pessoas que não entende a nossa luta”.

20160908-p2x9-despedida

No mesmo dia, apagou todos os perfis nas redes sociais. Deu adeus a seus contatos no Tinder, inclusive duas mulheres com quem estava, a duras penas, tentando combinar um ménage à trois (“forçando uma barra, sabe?”, segundo uma delas). Disse que voltaria a Lavras (MG), sua suposta cidade natal, para cuidar do pai doente.

E, por fim, pediu: “rezem por mim”.

Governo não comenta 

A participação de policiais infiltrados em ações contra as manifestações anti-Temer foi um dos temas abordados numa reunião do secretário da Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho, com o deputado federal Paulo Teixeira, o ex-senador petista Eduardo Suplicy, o deputado estadual Alencar Santana e o vereador Nabil Bonduki, todos do PT, realizada na sede da pasta, também na terça.

“O secretário ficou incomodado quando perguntei sobre atuação de P2”, contou Alencar. O deputado disse que fez a indagação duas vezes, mas em ambas Mágino teria se esquivado. “O cenário é preocupante. Há um endurecimento da PM e da Polícia Civil”, concluiu o deputado.

A Ponte fez duas perguntas para as assessorias de imprensa da PM e da Secretaria da Segurança Pública, comandada pela CDN Comunicação.

1. A PM usou policiais infiltrados para conseguir a prisão dos 21 jovens no CCSP no último domingo?

2. O coronel Dimitrius Fikatorius mentiu ao dizer na última coletiva que os jovens do CCSP foram presos numa abordagem motivada por “atitude suspeita”?

Até agora, não houve resposta.

Comentários

Comentários

1 Comentário

Enviar um comentário