Ambulante é agredido por segurança em linha da CPTM

Reprodução/Facebook

Em relato no Facebook, a irmã da vítima afirmou que o segurança identificado como Denis Miranda de Almeida, de 29 anos, teria empurrado o rapaz contra o trem

Um vendedor ambulante foi agredido na terça-feira (21/3) enquanto vendia seus produtos na estação Piqueri, que pertence a Linha 7- Rubi (Luz-Jundiaí) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Diante da agressão, Maurício do Nascimento, de 26 anos, sofreu uma parada cardíaca e necessitou ser reanimado por uma passageira na plataforma da estação, localizada na zona oeste da capital. Socorrida pelo Corpo de Bombeiros até o hospital das Clínicas, a vítima também teve um corte profundo na orelha.

O homem teve alta do hospital na tarde da quarta-feira (22/3).

Em relato no Facebook, a irmã da vítima, Lilian Nascimento, afirmou que o segurança identificado como Denis Miranda de Almeida, de 29 anos, teria empurrado seu irmão contra o trem que chegava na estação, após Nascimento ter se negado a entregar as mercadorias que vendia no local.

“Ai eu fico me perguntando tava roubando? Tava traficando? Não, ele tava tirando o sustento dele pois tem dois filhos e uma bebê com dias. Mas muitos julgam porque é proibido vender bala no trem, mas se ele não vender alguém vai comprar o leite ou uma fralda para os filhos dele? Não”, completou. A reportagem tentou contato com Nascimento, mas não obteve resposta até a publicação do texto.

A CPTM confirmou a ocorrência, e culpou a vítima pelos ferimentos, alegando que ela teria fugido da abordagem do vigilante. A estatal ainda alegou que o agente elaborou um boletim de ocorrência pois afirmou ter sido agredido por outros ambulantes que estavam no local no momento da confusão com Nascimento.

“Como um ser humano pode tentar tirar a vida de uma outra pessoa por coisas sem mais nem menos, porquê ele simplesmente tá com uma farda de guarda?”, publicou Lilian. Até a manhã desta quinta-feira (23) a postagem na rede social já havia sido compartilhada por mais de 128 mil pessoas.

No final do ano passado, o Condepe (Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana) ligado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, já havia enviado um ofício à CPTM onde expressava sua preocupação com a quantidade de denúncias envolvendo agentes de segurança da estatal e prováveis violações de direitos humanos.

Em sua explicação, datada de 23 de dezembro, a CPTM afirmou que as denúncias relatadas pelo Condepe “eram parciais e divorciadas da verdade”. A resposta, em forma de ofício interno, cita ainda que a CPTM tem o compromisso de zelar pela integridade física de todos os usuários do sistema ferroviário, porém, sem jamais fraquejar no combate de condutas irregulares e crimes que ocorrem em suas dependências.

Outro lado

Em nota, a CPTM informou que “nesta terça-feira, por volta das 13h, um vendedor ambulante que estava na Estação Piqueri, na Linha 7-Rubi, tentou fugir pela via ao ser abordado por um vigilante, no momento em que um trem chegava à plataforma. Ele parou além da faixa amarela, com o corpo inclinado, e foi atingido pelo trem. Ao cair na plataforma e foi socorrido pela equipe de segurança, que acionou o Resgate do Corpo de Bombeiros. Ele foi levado para o Hospital das Clínicas. Outros ambulantes que estavam na plataforma partiram para cima do vigilante, que cumpria seu dever, sendo agredido por socos e pontapés, cujas lesões serão objeto de apuração policial e exame de corpo delito. A ocorrência foi registrada na Delpom e as imagens foram requisitadas pela autoridade policial”.

Colaborou Luis Adorno

Comentários

Comentários

Enviar um comentário