Após morte de colega, alunos da Unicamp em Limeira denunciam insegurança no campus

4 minutos atrás

A estudante Sandra Andrade Santos, 21 anos, conhecida como Sandy, cursava o segundo ano de Engenharia de Manufatura - Reprodução Rede Social

Sandra Andrade Santos, 21 anos, conhecida como Sandy, cursava o segundo ano de Engenharia de Manufatura. Polícia prendeu um suspeito pelo assassinato da jovem e afirma que ele confessou crime

A estudante Sandra Andrade Santos, 21 anos, conhecida como Sandy, cursava o segundo ano de Engenharia de Manufatura – Reprodução Rede Social

“Estudo aqui desde 2014 e nunca me senti segura. A polícia, ao invés de nos amparar, nos cala. Quando fazemos qualquer festinha, eles chegam aos montes, batem em todo mundo, incluindo mulheres, e jogam gás de pimenta. Quando vamos denunciar assalto ou assédio, eles nos ignoram, nem nos deixam concluir o boletim de ocorrência”.

A denúncia em forma de desabafo é de uma jovem cansada de sentir medo todos os dias. Estudante de Ciências do Esporte, Danielle frequenta às aulas no mesmo campus em que Sandra Andrade Santos, 21 anos, conhecida como Sandy, cursava o segundo ano de Engenharia de Manufatura.

A jovem foi assassinada a facadas e seu corpo foi encontrado, na última sexta-feira (31/03), em matagal à beira de um condomínio da região, que fica próximo ao campus onde estudava, em Limeira (interior de São Paulo).

“Ela não morava lá. Ela morava aqui perto, no bairro universitário, que fica ao lado da faculdade” desabafa Danielle.  “É o mesmo campus, um novo da Unicamp [Universidade Estadual de Campinas], que fica em Limeira. Tem dois campus da Unicamp na mesma rua e é uma área extremamente perigosa”. Ela explica: ” construíram a universidade ao lado de bairros carentes e não incentivam a socialização entre a comunidade e a universidade. Negam à comunidade o direito de acessar o espaço público nos pedindo pra apresentar RA [registro de aluno] para entrar na faculdade”.

O principal suspeito pelo crime foi preso e, segundo a polícia, confessou o assassinato. Marcelo Soares de Moraes, 30 anos, aparece nesse vídeo detalhando o crime. “Ela tentou correr e eu dei a primeira facada nela”, diz, na gravação, o suspeito.

Apesar da prisão, o caso de insegurança na região da Unicamp está longe de ser solucionado.

“Aqui, sinto um medo que nunca senti nem em cidade grande. A morte de Sandy não foi consequência de uma ou duas políticas ruins, mas, sim, de uma série de erros burros cometidos tanto pela prefeitura [de Limeira] quanto pela administração da universidade”, afirma Danielle.

Por isso mesmo, alunos e pais fizeram um protesto em forma de passeata na terça-feira (04/04). A marcha foi da porta da universidade até a Prefeitura de Limeira. “Queremos incomodar. Fazer escândalo até perceberem que nos negligenciaram até que alguém morresse”.

Protesto contra falta de segurança no campus da Unicamp em Limeira (interior de SP)
Protesto contra falta de segurança no campus da Unicamp em Limeira (interior de SP)
Protesto contra falta de segurança no campus da Unicamp em Limeira (interior de SP)
Protesto contra falta de segurança no campus da Unicamp em Limeira (interior de SP)
Protesto contra falta de segurança no campus da Unicamp em Limeira (interior de SP)
Protesto contra falta de segurança no campus da Unicamp em Limeira (interior de SP)

Outro lado

Em nota, a prefeitura de Limeira, afirmou que o atual governo, do prefeito Mario Botion, assumiu a Prefeitura de Limeira em 1º de janeiro de 2017. “Sobre fatos referentes em gestões passadas, não podemos responder por eles – incluindo eventuais solicitações que tenham sido feitas por alunos dos dois campus da Unicamp em Limeira, a Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) e a Faculdade de Tecnologia (FT)”.

De acordo com a prefeitura, nenhum documento de caráter oficial foi encontrado em arquivos da prefeitura – nas secretarias envolvidas – referentes a tais pedidos feitos por alunos. “Durante esta semana, o atual governo não exitou em nenhum momento e atender o corpo discente da universidade, assim como demandas feitas conjuntamente com o corpo docente”, diz.

Na terça-feira (04/04), a prefeitura diz ter realizado uma reunião, de aproximadamente uma hora e meia, com o prefeito e os secretários Francisco Alves da Silva (Segurança Pública), Rodrigo Oliveira (Mobilidade Urbana), Edison Moreno Gil (Chefe de Gabinete), Daniel de Campos (Assuntos Jurídicos), com comissões de alunos dos dois campi, além de diretores e professores da instituição.

“Os estudantes apresentaram uma extensa pauta de reivindicações – com algumas questões, inclusive, que eram ligadas a outras instâncias, como a Câmara Municipal. Todos os itens da pauta foram lidos e discutidos preliminarmente entre o prefeito, secretários e universitários”, afirma.

A Polícia Militar, em nota, afirma que o policiamento na região é feito por diversos programas como Força Tática, Rádiopatrulhamento, além de uma base comunitária móvel. “Está em tratativa a mudança da sede da Companhia da área para um local que fica aproximadamente 100 metros do portão principal da Universidade”.

Segundo a PM, 277 pessoas pessoas foram presas e 14 armas foram apreendidas em Limeira este ano. “Até o momento, Corregedoria da Polícia Militar e Delegacia de Defesa da Mulher de Limeira não receberam nenhuma tentativa de registro ou notificação sobre os fatos citados pela reportagem”, diz. De qualquer forma, ambas se colocam à disposição para o registro e posterior investigação da ocorrência”, diz.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário