Capitão Willian, o “infiltrado do Tinder”, disse que subornou delegado

Militar usou alegação de suborno para explicar por que foi o único dos 22 manifestantes detidos pela PM que acabou liberado

20160913-balta-preso-o-coitado
Capitão Willian, no papel de Balta Nunes, entre os presos no CCSP em 4/9: só ele não foi para o Deic

A linha de defesa adotada pela SSP (Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo) de alegar que não conhecia o capitão do Exército Willian Pina Botelho – suspeito de colaborar como infiltrado na prisão de 21 jovens, numa ação cercada de ilegalidades que um juiz comparou à ditadura – pode colocar a pasta numa situação embaraçosa agora que o Ministério Público Estadual anunciou que vai investigar a história.

Acontece que, se alguém resolver acreditar na versão do governo estadual de que a Polícia Militar não agiu em parceria com o capitão infiltrado, sobram hipóteses pouco lisonjeiras para explicar por que a polícia liberou o capitão Willian após tê-lo detido na mesma ação que prendeu 21 manifestantes anti-Temer no CCSP (Centro Cultural São Paulo), na região central de São Paulo, em 4/9.

Uma das poucas hipóteses que pode explicar a liberação do capitão é a de corrupção policial. E foi justamente essa a explicação levantada pelo próprio Willian nas redes sociais, no dia seguinte à ação dos policiais, para tentar se livrar da pecha de colaborador da PM.

Na operação realizada no CCSP, que contou com uma dezena de viaturas, ônibus e helicóptero, a PM não poupou ninguém. Tanto manifestantes que pretendiam ir ao ato “Fora Temer” na Avenida Paulista como um rapaz que estava passando pelo local apenas para fazer um trabalho de faculdade foram presos e levados até o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), onde acabaram autuados por formação de quadrilha e corrupção de menores.

Houve só uma exceção: o Capitão Willian. Tanto testemunhos dos jovens detidos como fotos tiradas na ocasião mostram que o Capitão Willian, na sua identidade falsa de Balta Nunes, estava entre os detidos pela PM dentro do CCSP, mas nunca chegou ao Deic nem foi autuado por qualquer crime.

Para explicar como havia escapado de ser preso e tentar afastar as suspeitas de que fosse um agente infiltrado pela polícia para caçar militantes de esquerda, o Capitão Willian alegou que havia subornado um delegado da Polícia Civil com R$ 1.200. Willian fez  a alegação no dia seguinte à prisão dos jovens, durante uma conversa pelo Facebook, por meio do perfil falso de Balta Nunes que o capitão usava em redes sociais – inclusive no aplicativo de paquera Tinder.

Na conversa, Balta diz que foi levado para outra delegacia, diferente do Deic, por não ter “aparência de bb” (black bloc) e conta que seu advogado fez o pagamento ao delegado.

20160913-suborno-balta1

Na continuação da conversa, Willian/Balta se enrola ao tentar dar detalhes da sua versão, mas deixa claro que o pagamento não foi uma fiança, e sim um suborno, já que, graças ao dinheiro, não teve de “assinar” nada.

20160913-suborno-balta3

Na mesma conversa, o capitão tenta convencer o interlocutor de que a prisão do CCSP não teve nada a a ver com a possível presença de um P2, ou seja, um PM infiltrado.

20160913-suborno-balta2

No final, talvez por perceber que sua história não estava sendo convincente, Willian/Balta dá uma de traumatizado e anuncia que pretende ir embora, por ter ficado muito abalado com a ação da polícia.

20160913-suborno-balta5

Nenhum dos manifestantes presos pela PM com quem a Ponte conversou, porém, acredita na versão de suborno contada por Willian/Balta. Para eles, o capitão agiu em parceria com a PM, numa operação preparada com antecedência para prender manifestantes contrários ao governo Michel Temer (PMDB).

20160913-william-pina-balta2
Capitão Willian disfarçado com amigos num momento de lazer. Foto: Instagram

A versão da SSP é outra. Em entrevista coletiva, o coronel Dimitrios Fyskatoris, comandante do CPC (Comando de Policiamento da Capital), disse que a detenção no CCSP ocorreu por acaso, quando policiais militares viram manifestantes reunidos “em atitude suspeita”. No sábado (10/9), nota liberada pela SSP afirmou que a PM não conhece o Capitão Willian e negou que ele tivesse sido liberado após ser detido. “O Deic desconhece a existência de um oficial infiltrado e garante que todos os detidos apresentados no departamento foram qualificados no boletim de ocorrência”, disse a nota.

Investigação

O Ministério Público Estadual anunciou que vai investigar as circunstâncias da prisão dos 21 jovens e a possível ação de infiltração cometida pelo capitão Willian Pina Botelho. Ontem, em entrevista à Ponte, a promotora Luciana Frugiuele, do Grupo de Ação Especial para o Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), disse esperar que a investigação seja concluída em “até duas semanas”.

Luciana Frugiuele
Promotora Luciana Frugiuele, do Gecep. Foto: MPSP

O procedimento foi instaurado no Dipo (Departamento de Inquéritos Policiais) a pedido do juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo. Na decisão em que determinou a soltura dos 21 detidos, o juiz apontou que as provas apresentadas pela polícia indicavam apenas que “todos os detidos estavam pacificamente reunidos para participar de uma manifestação pública” e determinou que o Dipo investigasse a atitude de um PM, que teria agredido um dos presos com um soco nas costelas. (Uma das jovens presas relatou à Ponte  pelo menos um segundo caso de agressão, de uma moça que teria recebido uma “gravata” aplicada por um PM, mas nesse a caso a vítima não fez uma denúncia).

A promotora afirma que decidiu ir além do pedido inicial feito pelo juiz e investigar tudo. “No âmbito deste procedimento, decidimos que vamos avaliar tudo. Vamos ouvir todos os manifestantes, todos os policiais envolvidos na ocorrência e questionar a respeito dessa eventual infiltração de agente do Exército. Queremos apurar tudo, tudo, tudo o que aconteceu”, disse Frugiuele.

Além de ouvir os manifestantes e os policiais, a promotora também pretende interrogar o Capitão Willian. “Embora seja um capitão do Exército, nada impede que seja intimado a prestar esclarecimentos”, afirma. O procedimento pretende averiguar se o militar agiu sozinho ou se o Exército tinha conhecimento de suas atividades, e se havia participação da polícia na infiltração.

Segundo a promotora, o mais grave é a suspeita levantada pelos manifestantes de que a prisão foi armada, com a eventual participação de um agente infiltrado. “Se ficar comprovado que houve uma situação de flagrante preparado, é muito grave”, diz.

20160913-william-pina-balta3
MP pretende intimar Capitão Willian/Balta a prestar esclarecimentos


Outro lado

A reportagem da Ponte enviou hoje as seguintes perguntas à assessoria de imprensa da SSP:

1) Se o Capitão Willian não agiu como infiltrado em parceria com a PM, por que foi o único dos 22 detidos a ser liberado pela polícia?

2) Como a SSP vê a alegação dada pelo próprio capitão, para se livrar da pecha de colaborador da polícia, de que teria pago R$ 1.200 em suborno para um delegado em troca de não ser preso?

Ainda não houve resposta.

Comentários

Comentários

2 Comentários

Enviar um comentário