Em 20 anos, PMs de SP mataram mais do que todas as polícias dos EUA no mesmo período

Momento em que Paulo Oliveira é rendido por PMs, no Butantã (zona oeste de SP). Minutos depois, ele foi executado por militares

Policiais militares do Estado de São Paulo mataram 11.358 pessoas nos últimos 20 anos. No mesmo período 1.248 policiais militares foram mortos
No destaque, o revólver calibre 32 plantado por dois PMs ao lado do corpo do pedreiro Vagner de Sousa Ribeiro, um homem negro de 32 anos, executado quando estava dominado | Reprodução
No destaque,  revólver calibre 32 plantado por dois PMs ao lado do corpo do pedreiro Vagner de Sousa Ribeiro,  negro, 32 anos, executado por militares após dominado. Caso foi a primeira morte cometida por PMs neste ano no Estado de SP | Reprodução

Policiais militares do Estado de São Paulo mataram 11.358 pessoas nos últimos 20 anos, segundo dados do Centro de Inteligência da Polícia Militar paulista obtidos pela Ponte Jornalismo. O número é maior que o cometido de todas as polícias do EUA, no mesmo período. Também nesses 20 anos, 1.248 policiais militares foram mortos no estado.

Para Governo de SP letalidade policial caiu 20%. Na real, foi só 0,99%

Todas as 12.606 mortes (11.358 civis e 1.248 militares) incluem os crimes cometidos durante o período de trabalho e também na folga dos militares, assim como também nos casos nos quais os PMs são as vítimas.  Os números referem-se ao intervalo de  julho de 1995, quando o governo paulista começou a tabular dados sobre a letalidade policial, e agosto de 2015.

A farsa da PM de SP no Réveillon de 2015

PMs são investigados sob suspeita de matar jovem de 15 anos asfixiado durante abordagem

Veja imagens da reconstituição da execução cometida por PMs contra pedreiro

PM de SP matou seu Chico, aposentado de 69 anos, 3 filhos, 9 netos e 10 bisnetos

Conheça detalhes da apuração sobre a matança feita por PMs e GCMs em Osasco, Carapicuíba, Itapevi e Barueri

Com uma população 7,5 vezes menor do que os Estados Unidos, onde cerca de 319 milhões de habitantes são atendidos por aproximadamente 17 mil agências policiais, o Estado de São Paulo (43 milhões de moradores) tem uma polícia 53% mais violenta do que todas as norte-americanas reunidas.

Os relatórios do FBI (Polícia Federal dos EUA) mostram que, juntas, todas as polícias dos Estados Unidos matam, em média, 369 pessoas a cada ano. No Estado de São Paulo, os dados do Centro de Inteligência da Polícia Militar, revelam a média anual de 563 mortos por PMs.

Outra possível comparação entre a letalidade da PM de São Paulo com a de todas as polícias dos Estados Unidos é que enquanto em SP, em 20 anos, foram 11.358 mortos por PMs, nos estados norte-americanos  em um período de 30 anos (de 1983 até 2012), policiais mataram 11.090.

Como a média anual de mortos por todas as polícias nos EUA é de 369, é possível afirmar que, em 20 anos, 7.380 foram mortas por policiais em território norte-americano. Nos mesmos 20 anos, no Estado de São Paulo, a Polícia Militar de São Paulo matou 3.978 mortos a mais.

dados_

De acordo com Rafael Alcadipani, professor de Estudos Organizacionais da FGV-EAESP e Visiting Scholar no Boston College, EUA, “muita gente é executada deliberadamente” pelos policiais militares de São Paulo.

Leia a entrevista com o especialista em segurança pública:

Ponte Jornalismo – Dados do Centro de Inteligência da PM de SP revelam que, entre julho de 1995 e agosto deste ano, PMs mataram 11.358 pessoas no Estado de SP. Por que os PMs matam tanto em SP? O total de mortos por PMs inclui mortes em serviço e na folga.

Caramante
Rafael Alcadipani, professor de Estudos Organizacionais da FGV-EAESP e Visiting Scholar no Boston College, EUA, e especialista em segurança pública

Rafael Alcadipani: Há inúmeros fatores a serem considerados e precisamos diferenciar estas mortes, primeiro entre em serviço e fora de serviço. As mortes causadas por policiais fora de serviço podem estar relacionadas ao “bico” [serviço extra-corporação]. A remuneração do policial é muito baixa e quase todos trabalham fora da polícia, muitas vezes em segurança privada. Aí, se envolvem em ocorrências e, como estão no bico, estão em inferioridade numérica. Há casos de policiais que se envolvem com o crime e matam pelo crime. Também tem os policiais que interferem em ocorrências policiais, sem chamar apoio e tudo mais. Muitas vezes, o policial percebe que será executado se for descoberto como policial e atua antes que isso aconteça. Em serviço, há dois tipos de mortes: as resistências legítimas e as ilegítimas. Há casos em que o policial para proteger a si e aos outros, ele tem que “neutralizar” o criminoso. Há, ainda, casos em que os policiais matam por pura maldade ou por não acreditarem que a Justiça irá resolver o problema da criminalidade. É um universo amplo, complexo e é urgente termos mais pesquisas para entender o que de fato acontece. Mas, sem a menor dúvida, há muita gente que é deliberadamente executada pela PM. 

Ponte Jornalismo – Também entre julho de 1995 e agosto deste ano, 1.248 PMs foram assassinados, estivessem no trabalho ou na folga. Como isso pode ser analisado dentro da questão da segurança pública?

Rafael Alcadipani: Muitos policiais que estão fazendo bico e estão desguarnecidos, sem apoio. Envolvem-se em ocorrências que geram confronto e eles acabam matando. Há, ainda, os casos de policiais que são mortos devido ao seu envolvimento com o crime. A situação do policial da ponta é bastante frágil no Brasil. Ele está muito próximo ao crime e também muito fragilizado pelas más condições de trabalho. 

Mortes_2015_com_homicidio_doloso

Ponte Jornalismo – Hoje, o Brasil discute a possível implantação do chamado “ciclo completo” da PM. De que forma a letalidade da PM pode ser afetada caso os militares passem também a exercer funções de Polícia Judiciária?

Rafael Alcadipani: O ciclo completo é uma boa ideia que pode se transformar em um grande desastre. Uma polícia com quase 100 mil homens não pode ter ciclo completo pelo simples fato de que ninguém vai controlar o que ela vai fazer. Hoje, os diferentes governos têm muita dificuldade em comandar de fato as PMs. Veja o que aconteceu no Distrito Federal recentemente. A PM teve uma ação muito truculenta contra os professores e o secretário não foi informado. Pediu para trocar o comandante da PM e, no final, ele teve que sair. Não se pode dar o ciclo completo para uma polícia que não é controlada por ninguém efetivamente. A PM mata muito porque todo mundo fecha os olhos para esta matança.

Parte da sociedade clama pelo “bandido morto” e, internamente na PM, é reforçada a lógica de que tem que matar e bater em bandido mesmo. É assim que eles pensam. E o pior, a própria PM não encara a sua letalidade e a sua violência como um problema.

Para o comando, parece que está tudo bem. A Folha de S.Paulo fez uma pesquisa em que mostrou que cerca de 60% das pessoas não confiam na PM. Ao invés da PM querer entender, o Comandante-Geral fez uma nota criticando a Folha e a pesquisa. Na verdade, a PM só quer pessoas que digam que ela é o máximo, ela não quer ser questionada. O comando da PM precisa entender que a PM é da sociedade, não do comando. Tem muita gente séria e extremamente competente na PM. Muita mesmo. Tem muita gente querendo acertar, querendo melhorar a polícia. Mas a cultura da PM impede que as pessoas pensem lá dentro com independência. É urgente, totalmente urgente, que a PM saia da sua posição de distanciamento da sociedade e venha abraçar a sua sociedade, a respeitá-la e a escutá-la.

A cultura da organização é muito fechada e não permite o diálogo franco, com algumas exceções, como o comando da Polícia Militar do Rio de Janeiro, mas que enfrenta resistências internas fortes.

A bem da verdade, todo mundo tem medo da PM e uma polícia que as pessoas não confiam e todo mundo tem medo não pode ter ciclo completo. Muita gente debate o ciclo completo pela visão do mundo ideal, mas há um mundo concreto, onde o pobre da periferia está sendo morto. Se você for em muitas festas de bacanas vai encontrar drogas e sexo. Mas a PM vai lá? Temos uma sociedade injusta com uma PM violenta contra os pobres. Esta PM não pode ter ciclo completo sob a pena de piorar muito a situação das pessoas no dia-a-dia. E pioraria por que? Porque ao saber que o policial vai apresentar a ocorrência para um delegado, ele tem o mínimo de pudor do que apresentar. Ao apresentar para um membro da própria PM, eles poderão montar a versão que eles quiserem dos fatos.

Ponte Jornalismo – Muitas das mortes cometidas por PMs são justificadas por integrantes do comando da corporação como resultado de uma guerra contra criminosos. Essa lógica de guerra pode ser aplicada na análise da letalidade da PM de SP? Entre janeiro e agosto de 2015, PMs mataram 568 pessoas em SP. São, em média, 2,36 pessoas mortas ao dia _cinco a cada dois dias. No mesmo período, foram mortos 38 PMs _0,15 ao dia ou um PM morto a cada seis dias. 

Rafael Alcadipani: As polícias do Brasil matam muito, assim como os policiais também morrem muito, isso é um fato. É o sintoma de um modelo de segurança pública que não dá certo no momento.  Ele não é bom para a sociedade e não é bom para a maioria dos policiais. Por isso, mudanças são necessárias e uma delas é diminuir o poder das PMs na segurança pública, não aumentar. Guardas Municipais e a Polícia Civil precisam ter mais investimento e precisam ser melhoradas. No mundo ideal, acredito que deveríamos ter uma única polícia, mas dividida por territórios. Por exemplo, uma polícia em Jundiaí, uma em Campinas [cidades no interior de SP] e assim por diante, com uma corregedoria única e estadual para todas as polícias. Hoje, as PMs dominam o cenário e atendem muito mal o cidadão, principalmente os que mais precisam. A viatura até chega rapidamente, mas depois a coisa pode piorar e muito.

De novo, há muita gente querendo acertar e fazer o melhor na PM, mas ela está presa em uma lógica organizacional de conflito e confronto.

O policial deve atuar, na maioria dos casos, um mediador de conflitos. Casos em que realmente precisa haver confronto são muito menores. É urgente mudar o paradigma de como as polícias operam no Brasil.

Ponte Jornalismo – Como o Estado de São Paulo pode tentar diminuir a letalidade dos PMs e também evitar que os militares sejam mortos?

Rafael Alcadipani: Eles [o Comando da PM] deveriam retirar por seis meses o policial que se envolve em confronto com resultado morte. O policial deveria ter que ir a um programa todos os dias. O [Mário] Covas [governador de SP] fez isso e foi quando a polícia foi menos letal. É urgente melhorar os salários e as condições de trabalho dos policiais. O policial morre porque ganha pouco e precisa fazer bico. São Paulo paga muito mal aos seus policiais. 

Execuções filmadas em SP: Polícia encerra investigação e pede prisão de 5 dos 11 PMs envolvidos em duas mortes

Eduardo: “Naturalizaram o extermínio na periferia”

PMs de SP são presos e investigados por integrar grupo de extermínio que matou 20 e feriu 19

Imagens inéditas mostram PM de SP ao prender, algemar e jogar jovem de telhado para ser morto a tiros

5 casos de PMs que forjaram troca de tiros para mascarar assassinatos

Comentários

Comentários

Enviar um comentário