Justiça concede pensão a mulher de ambulante morto no metrô

Ambulante Luís Carlos Ruas tinha 54 anos e foi morto na noite de natal dentro do Metrô de SP - Foto: Arquivo Pessoal

Juiz acolheu o pedido do advogado da viúva de Luiz Carlos Ruas, que alegou que a subsistência da família ficará comprometida sem a renda do homem, que vendia doces, salgados e água em frente à estação Pedro II

 

Ambulante Luís Carlos Ruas tinha 54 anos e foi morto na noite de natal dentro do Metrô de SP – Foto: Arquivo Pessoal

O Metrô de São Paulo foi condenado pela Justiça, em decisão liminar, a pagar uma pensão mensal no valor de R$ 2.232,54 a Maria de Souza Santos, esposa do ambulante Luiz Carlos Ruas, de 54 anos, conhecido por Índio, morto dentro da estação Pedro II da linha 3-Vermelha, que liga a zona oeste a zona leste da capital, na noite de 25 de dezembro do ano passado.

O valor foi calculado pelo juiz André Salvador Augusto Bezerra com base nos vencimentos de R$ 26,790,50 apresentados por Ruas em seu último Imposto de Renda declarado. O montante total foi divido por 12 meses, no que se chegou ao valor de R$ 2,2 mil – estimativa de salário mensal de Ruas -, que deve ser depositado todo dia 20, a partir já deste mês.

O juiz acolheu o pedido do advogado da viúva, que alegou que, sem a renda de Ruas, a subsistência da família ficará comprometida. O homem tirava o sustento vendendo doces, salgados e água, em frente à estação. Outro pedido atendido pela Justiça foi o caráter de urgência, já que foi decidido o pagamento da pensão antes de o caso completar um mês.

Uma audiência de conciliação entre a mulher da vítima e o Metrô foi marcada para o dia 22 de março.

Ruas foi espancado até a morte pelos primos Alípio Rogério Belo dos Santos e Ricardo Nascimento Martins, após ter defendido uma travesti e um morador em situação de rua homosexual, que haviam sido agredidos pela dupla anteriormente. Em seu despacho, o juiz Bezerra escreveu que “houve falha da segurança oferecida [pelo Metrô]”.

Em nota, o Metrô informou que só irá se pronunciar após tomar conhecimento do conteúdo da liminar.

Em ato simbólico, estação Pedro II é renomeada como Luiz Carlos Ruas

Queixas por falta de segurança em linha do Metrô onde ambulante foi morto crescem a cada ano

Polícia Civil prende acusados de matar ambulante em estação do metrô de SP

Polícia busca suspeitos de matar vendedor em estação de metrô de SP

Homens matam ambulante negro no metrô por defender travesti

Comentários

Comentários

Enviar um comentário