Novo vídeo mostra João Victor se desentendendo com funcionário do Habib’s

João Victor morreu no dia 26 de fevereiro

Depois de ser empurrado, adolescente usou pedaços de madeira contra funcionário da rede de fast-food

Filmagem da câmera de segurança do estacionamento da rede de fast-food Habib’s, unidade da Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo, mostra um desentendimento entre o menino João Victor Souza de Carvalho, 13 anos, com um funcionário da lanchonete, no final da tarde de 26 de fevereiro, minutos antes do adolescente morrer.

O vídeo de 1 minuto e 55 segundos começa exibindo João Victor com dois pedaços de madeira, um em cada mão. Ainda no primeiro minuto de vídeo, o adolescente coloca as madeiras encostadas na traseira de um dos carros estacionado, e caminha até a dianteira do veículo, onde fica encostado.

Segundos depois, um funcionário do Habib’s aparece nas imagens, se aproxima de João Victor, e empurra o adolescente, que corre para a parte de trás do carro. Ele pega os pedaços de madeiras, vai para cima do funcionário e faz um movimento de acertá-lo com a madeira — mas não atinge. O empregado da lanchonete vira as costas e retorna.

Antes do final do vídeo, João Victor ainda dá um golpe com a madeira contra um Jeep Renegade estacionado. Pelas imagens, não é possível precisar se o veículo foi danificado.

A assessoria do escritório FC Advogados, que auxilia a família de João Victor acompanhando o caso, afirma que a nova filmagem divulgada não mostra o contexto da situação.

“As imagens que a polícia soltou para a imprensa mostram somente o João com o pau na mão e batendo no carro. Mas o que se passou antes, que levou ele a tomar aquela atitude, eles não mostram”, disse a assessoria.

João Victor morreu no dia 26 de fevereiro / Foto: Arquivo pessoal

Perseguição

 Em 3 de março, a Ponte Jornalismo divulgou as imagens de outra câmera de segurança que mostram que o menino João Victor foi perseguido por dois funcionários da lanchonete e arrastado pelos mesmos depois de ter desacordado.

O Habib’s disse, em nota divulgada na última terça-feira (14), que os funcionários arrastaram o menino para tirá-lo da “rua movimentada”, e agiram de tal forma por causa da “falta de experiência em situações de resgate”.

Procurada pela reportagem na noite desta sexta-feira (17/03), a assessoria de imprensa da lanchonete disse que “os funcionários continuam afastados”. A empresa afirmou novamente que “lamenta profundamente a ocorrência e segue à disposição das autoridades para o esclarecimento dos fatos”.

Exumação

Após pedido da família para exumação de João Victor, o delegado Nicola Romanini, do 28º DP (Freguesia do Ó), responsável pelo caso, disse nesta sexta-feira (17) que fará a solicitação à Justiça. A intenção da família é que novos exames sejam realizados para contrariar a causa da morte apontada pelo IML (Instituto Médico Legal) — que diz que foi devido ao uso de drogas.

De acordo com a assessoria do FC Advogados, a exumação será acompanhada pelos peritos independentes Levi Inimá de Miranda e Eduardo Llanos.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário