Vigília em SP pede libertação de Rafael Braga, condenado a 11 anos de prisão

Ato realizado na noite de segunda foi uma resposta à condenação do jovem negro, que afirma ter sido vítima de “flagrante forjado”

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Quatro dias após a condenação do jovem negro Rafael Braga, movimentos sociais realizaram, na noite desta segunda-feira (24/4), na Avenida Paulista, região central de São Paulo, uma vigília pedindo a libertação do catador. Na quinta (20), o juiz Ricardo Coronha Pinheiro, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, condenou o catador a 11 anos e três meses de prisão pelos crimes de porte de drogas e associação ao tráfico, num processo em que a principal prova era a palavra dos policiais militares e que Rafael denunciou como um “flagrante forjado”.

Foto: Fernando Martins/Ponte

Em concentração desde as 18h, portando velas e cartazes, centenas de pessoas compareceram ao vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo) e, uma hora depois, ocuparam a Avenida Paulista durante quase três horas. Com apoio de um carro de som, membros de diversos movimentos sociais clamaram por justiça e pela liberdade de Rafael.

Jovem, negro e pobre, Rafael Braga virou símbolo do movimento negro após ser preso em junho de 2013, portando duas embalagens fechadas de produtos de limpeza. Segundo a polícia, o material seria usado para a confecção de explosivos.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Após o episódio, Rafael encontrava-se em regime aberto, com uso de tornozeleira eletrônica havia pouco mais de um mês, quando foi preso novamente, em 12 de janeiro do ano passado. A prisão ocorreu quando ele caminhava da casa de sua mãe para uma padaria na Vila Cruzeiro, favela no bairro Penha, zona norte do Rio, onde vive sua família.

Leia também:
Rafael Braga é condenado a onze anos de prisão
Advogados de Rafael Braga afirmam que juiz nega direito à ampla defesa do ex-catador
Sarau mobiliza moradores de favela em apoio a Rafael Braga no Rio
Mobilização pela liberdade de Rafael Braga ganha seis países além do Brasil
“Mandaram eu abrir a mão, botaram pó na minha mão, me forçando a cheirar”, revela Rafael Braga
Rafael Braga é preso com novo flagrante forjado, diz advogado
Preso injustamente desde 2013, Rafael Braga volta a trabalhar fora da prisão
O primeiro e único condenado das manifestações de junho de 2013

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

 

Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte

 

Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Comentários

Comentários

Enviar um comentário